Ad
UX Design

Guia Boas Práticas de UX Design

SEUS CLIENTES RESPONDERÃO A UMA EXPERIÊNCIA DE USUÁRIO DE PRIMEIRA TAXA


A experiência aprimorada do usuário se traduz em três principais benefícios para as empresas que a fornecem. Quando as empresas se diferenciam dos concorrentes, oferecendo uma melhor experiência:

  • Mais clientes estarão dispostos a comprar. Em média, as empresas que oferecem uma experiência superior têm 14,4% mais clientes dispostos a considerá-las para outra compra do que as empresas do mesmo setor que oferecem uma experiência ruim ao cliente.
  • Mais clientes resistirão a fazer negócios com os concorrentes. Comparadas às empresas que oferecem uma experiência ruim, as empresas que oferecem a melhor experiência em seus setores têm 15,8% menos clientes que provavelmente consideram fazer negócios com um concorrente.
  • Mais clientes irão recomendar você. As empresas com as maiores pontuações de experiência 16,6% mais clientes que provavelmente recomendam seus produtos ou serviços em comparação com seus concorrentes com a menor pontuação.

Um ótimo UX online deve ser útil, utilizável e desejável

Se o seu site é lento, feio, ocupado, frustrante ou chato, oferece uma má experiência do usuário, e os clientes provavelmente irão a outro lugar para comprar seguros, comprar alta costura, negociar ações, encontrar uma data, pagar contas, assistir a vídeos e faça inúmeras outras coisas que as pessoas fazem na Web. Mas como é esse conceito indescritível chamado experiência de usuário? Quando se trata de sites, muitos cometem o erro de pensar que o design da experiência do usuário é apenas uma coisa, como design da interface do usuário, usabilidade, design visual ou desempenho. Mas trata-se de todos esses elementos trabalhando juntos (ou não) para influenciar a percepção do usuário sobre o seu site.

Ad

Podemos definir a experiência do usuário como:

A percepção dos usuários sobre a utilidade, usabilidade e conveniência de um aplicativo da Web com base na soma de todas as suas
interações diretas e indiretas com ele.

melhores praticas ux util utilizavel desejavel designe
melhores praticas ux util utilizavel desejavel designe


Ótimas experiências do usuário devem ser:

  • Útil: os usuários podem alcançar seus objetivos? Os usuários visitam sites com um único objetivo: atingir seus objetivos. O grau em que eles acham um site útil é medido por sua capacidade de atingir esses objetivos, que podem variar desde a verificação rotineira do e-mail até a solicitação de uma apólice de seguro de vida.
  • Utilizável: com que facilidade os usuários podem alcançar seus objetivos? Os usuários desejam realizar suas tarefas com o mínimo de esforço. Um site que forneça ao usuário a capacidade de procurar facilmente uma camiseta por tamanho e cor pode ser muito útil, mas se forem necessários muitos cliques desnecessários para encomendar a camiseta, a usabilidade geral do site estará ausente.
  • Desejável: o site apela às emoções dos usuários? Embora o grau em que o site seja útil e utilizável possa influenciar a conveniência, ele também é influenciado por fatores como imagem, linguagem, estética, diversão e valores sofisticados de produção, que vêm da atenção aos detalhes. Tudo isso contribui para o envolvimento emocional que diferencia as marcas dos concorrentes.

Deixar o design da experiência do usuário em risco prejudica as empresas

Nas ruas de Boston, sabe-se que as ruas são muito difíceis de navegar. Por quê? Na Boston colonial, alguém construiu uma casa. E então outro alguém construiu uma casa. Então eles construíram um caminho entre as duas casas. E assim por diante. Como resultado, o layout de Boston foi acidental e o resultado é um conjunto complicado de ruas que frustra moradores e visitantes.

Da mesma forma, as lojas de desenvolvimento de aplicativos alcançam resultados ruins quando projetam sem um plano, deixando a experiência do usuário ao acaso. Eles:

  • Ferir as taxas de conversão. Um site bem projetado pode ter uma taxa de conversão de visitas a pedidos 200% mais alta do que um site mal projetado. E as taxas de conversão de visita a lead podem ser mais de 400% mais altas em sites com uma experiência superior do usuário.
  • Alienar clientes. Os clientes retidos se tornam uma anuidade para o seu negócio e são embaixadores do seu valor e marca. Sites bem projetados têm taxas de abandono de página até 41% inferiores às de seus primos inferiores.
  • Aumente os custos de desenvolvimento. O projeto inicial da experiência do usuário pode reduzir bastante a necessidade de extenso reprojeto e redesenvolvimento que podem ser necessários para corrigir uma experiência ruim do usuário.

A EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO PROJETA AS MELHORES PRÁTICAS DEMONSTRATIVAS

Como os desenvolvedores de aplicativos podem criar ótimas experiências de usuário úteis, utilizáveis e desejáveis? Uma pesquisa conversou com dezenas de especialistas em design, usabilidade, pesquisa etnográfica, processo de design e desenvolvimento de software, incluindo acadêmicos e profissionais. Essa pesquisa descobriu quatro práticas recomendadas:

  1. Torne-se seus usuários saber como projetar para eles.
  2. Design primeiro para evitar deixar a experiência do usuário ao acaso.
  3. Não confie em ninguém – teste para garantir que seus usuários sejam felizes.
  4. Injetar design da experiência do usuário no seu processo de ciclo de vida de desenvolvimento de software (SDLC).
melhores praticas ux melhor pratica como armadilhas designe
melhores praticas ux melhor pratica como armadilhas designe

MELHOR PRÁTICA 1: TORNE-SE SEUS USUÁRIOS

O primeiro passo na criação de uma ótima experiência do usuário é entender profundamente seus usuários – suas necessidades, desejos, esperanças, sonhos, aspirações, atitudes e objetivos em relação ao projeto em questão. Muitos profissionais de desenvolvimento de aplicativos cometem o erro de pensar que entender o usuário é apenas reunir requisitos ou observar as reações do usuário a uma demonstração. Mas, para descobrir o que seus usuários realmente acharão úteis, utilizáveis e desejáveis, você deve:

  • Escute as necessidades deles. Lembre-se de que seu Comercial são as pessoas reais que usarão seu site, não as partes interessadas nos negócios. Entrevistá-los diretamente é a melhor maneira de entender suas necessidades. Você também pode pesquisá-los, coletar seus comentários em seu site e revisar o que eles estão dizendo sobre você e seus concorrentes na blogosfera e em sites de redes sociais. Ao usar os processos tradicionais de coleta de requisitos, lembre-se de perguntar não apenas o que eles acharão úteis, mas também os recursos e convenções de design que considerem úteis e desejáveis.
  • Observe-os em seu habitat natural. Os usuários nem sempre podem articular o que precisam e o que os fará felizes. Observar como os usuários executam tarefas no site existente ou nos sites dos concorrentes é inestimável para entender os problemas que os usuários não conseguiram articular. Ao fazer isso, você também deve observar o ambiente e o contexto em que o usuário executa as tarefas. Isso ocorre porque o design da experiência do usuário deve se encaixar no contexto total em que o usuário está usando seu aplicativo.
  • Crie personas. Uma persona é uma descrição narrativa e vívida de uma pessoa fictícia que representa um segmento da sua população de usuários. 7 Baseia-se em pesquisas primárias que descobrem as atitudes, objetivos e comportamentos reais dos usuários que representam. Para transformar a pesquisa em uma persona, dê a ela um nome e um rosto com um som real (uma foto de estoque serve) e escreva uma descrição dele que inclua detalhes que você descobriu durante a pesquisa do usuário. Algumas empresas chegam a criar pôsteres ou até figuras de papelão em tamanho real de suas personas. Lembre-se de que é comum ter mais de uma persona, cada uma representando um segmento da sua população de usuários.
  • Simpatize com eles. Você ouviu e observou. Agora você pode dar um passeio no lugar deles – sentir sua dor e alegria – para realmente entendê-los. O que os perturba? Como eles tomam decisões? Empatia amplamente, mas também empatia no contexto. As preocupações de um operador de reator nuclear serão diferentes de um amante da música de 15 anos. Para simpatizar com seus usuários, escolha uma persona para personificar e entrar no personagem. Faça um passo a passo mental do usuário acordando de manhã, passando o dia dela e, em algum momento, usando seu aplicativo. O que a motivou a usar os aplicativos? O que ela estava pensando? Que tarefas ela queria executar e quão fácil era realizá-las? Que outras opções ela tem para alcançar seus objetivos e por que ela escolheu sua inscrição?

Armadilhas a evitar ao se tornar seus usuários

Se você errar na pesquisa do usuário, não conseguirá acertar no design da experiência do usuário. Para acertar a pesquisa do usuário:

  • Não assuma que desenvolvedores já entendem o usuário. Na ausência de informações reais sobre os usuários, os desenvolvedores envolverão sua imaginação maravilhosa para criar um modelo mental de quem eles acham que o usuário poderia ser. Em seguida, eles projetam um site que atende às necessidades de seus amigos imaginários, mas não necessariamente às necessidades do usuário final da vida real. Não é culpa dos desenvolvedores: sem uma abordagem disciplinada da pesquisa e do design dos usuários, eles ficam com pouca alternativa.
  • Não basta ouvir e observar. Henry Ford disse: “Se eu perguntasse às pessoas o que elas queriam, elas teriam dito ‘cavalos mais rápidos’”. Ouvir é apenas uma maneira de entender seus clientes. Lembre-se de que é igualmente importante observá-los e ter empatia por eles. Isso permitirá que você entenda seus objetivos gerais e pense de maneira mais criativa sobre como ajudá-los a alcançar esses objetivos.
  • Não confunda as partes interessadas da empresa com os usuários. As partes interessadas nos negócios são importantes quando se trata de definir as metas de negócios, mas o design da experiência do usuário é sobre os usuários reais do seu site. De fato, as partes interessadas nos negócios geralmente têm objetivos opostos aos seus usuários. Por exemplo, uma parte interessada da empresa pode querer adicionar recursos de que gosta, mas os usuários não precisam ou forçam o registro quando desejam apenas fazer uma compra e seguir adiante com suas vidas.
  • Não confunda a coleta de requisitos com a pesquisa do usuário. Um processo típico de desenvolvimento de aplicativos começa com a coleta de requisitos e depois prossegue para o design e desenvolvimento. Mas muitas vezes a coleta de requisitos se concentra apenas nas necessidades dos negócios e não nas necessidades dos usuários. Verifique se os analistas de negócios entendem a diferença entre os requisitos comerciais tradicionais e a pesquisa do usuário.

MELHOR PRÁTICA 2: PROJETO PRIMEIRO

As empresas não devem deixar a experiência do usuário ao acaso. Em vez disso, eles devem projetar a experiência do usuário e criar um site ou aplicativo que ofereça essa experiência. O design faz parte da arte porque você precisa descobrir esse je ne sais quoi diferenciado que atrai os clientes. Mas o design também faz parte da ciência, porque há pesquisas sobre o que funcionou – ou falhou – no passado. Para projetar uma experiência do usuário que seja útil, utilizável e desejável:

  • Atenda às metas de negócios atendendo às metas do usuário. A experiência do usuário fornecida pelo seu site existe no contexto mais amplo das suas necessidades comerciais. Sites bem projetados ajudam os usuários a fazer algo que promove os objetivos da organização. Por exemplo, http://stargate.mgm.com atende aos fãs da Stargate séries de programas de televisão de ficção científica, permitindo-lhes explorar a nova nave espacial do programa. Ele também serve ao objetivo comercial de mostrar aos anunciantes em potencial a Web dados de uso do site provando que os fãs são altamente comprometidos, o que significa que os anúncios no programa valerão mais.
  • Encontre e aumente o talento em design. Um ótimo design requer talento criativo inspirado em um profundo entendimento do usuário, um profundo entendimento dos objetivos de negócios e um profundo conhecimento de tudo o que é possível com a tecnologia. Isso requer uma equipe de indivíduos com habilidades complementares – como design visual, design de interação e direitos autorais – ou uma agência interativa ou empresa de design que possa fornecer uma equipe. Recrutar uma equipe não será fácil, porque as agências competem intensamente pelos melhores talentos. Uma opção é recrutar funcionários com experiência em agências, com mais horas regulares e menos viagens do que as agências costumam oferecer. Outra opção é treinar a equipe interna com o potencial certo, enviando-a para workshops ou cursos sobre o design da experiência do usuário
  • Design para mudança. As expectativas dos usuários sobre o que é útil, utilizável e desejável podem mudar dependendo de vários fatores, incluindo mudanças culturais, realidades econômicas, ofertas competitivas e tecnologia. Os desenvolvedores de aplicativos devem, portanto, projetar mudanças, obtendo informações sobre como suas personalidades evoluirão no futuro. Faça isso apresentando alguns cenários futuros com base em tendências contextuais, como as intenções anunciadas dos concorrentes, ciclos de adoção de tecnologia, mudanças culturais e ciclos econômicos. Depois, faça um brainstorming sobre como cada uma de suas personagens reagirá a cada um desses estados futuros. Agora avalie até que ponto o design atual da experiência do usuário pode evoluir para cada uma dessas visões futuras. Ao fazer isso, avalie também a capacidade da sua arquitetura técnica de evoluir.
  • Conheça suas restrições. Certifique-se de que seus designers conheçam suas restrições antes de iniciar o processo de design. Como todo mundo, os designers são limitados por tempo e dinheiro – mas essas não são as únicas restrições. Eles também podem ser limitados pela necessidade de ajustar seu trabalho a um site existente que tenha convenções internas consistentes para elementos como posicionamento de menu e formato de link. Ou então, você pode ter restrições técnicas, como o tamanho da tela de um aplicativo móvel ou uma arquitetura técnica subjacente, que impede o suporte a determinados recursos de maneira econômica ou com desempenho adequado. Por exemplo, fornecer a seus clientes uma visão única de todas as contas deles pode parecer simples, mas pode exigir um projeto de integração de um milhão de dólares no sistema de back-end.
  • Design para diferenças. É provável que a pesquisa do usuário tenha descoberto a necessidade de criar para mais de uma persona. Isso não significa que cada um dos segmentos de usuários representados por essas pessoas seja igualmente importante para os seus negócios. Por exemplo, convém fazer mais esforço de design para satisfazer os usuários mais lucrativos ou com maior potencial de aumento de receita. Ou você pode se concentrar em atrair um novo conjunto de usuários em potencial para o seu site. Depois de atribuir uma importância relativa a cada persona, você pode usar uma ferramenta como a matriz de priorização baseada em persona desenvolvida pela Microsoft para determinar o conteúdo, os recursos e as funções mais importantes a serem incluídos no seu site.
  • Peça emprestado a inspiração de outros designs. O design quase nunca começa do zero. A maioria das empresas revisa periodicamente os sites dos concorrentes para ver o que estão fazendo. Outras empresas com visão de futuro também procuram fora do setor para encontrar idéias de design que as diferenciem entre os melhores sites como nytimes.com na mídia, amazon.com nas compras, netflix.com no entretenimento e fidelity.com na área financeira. Serviços. Novas idéias de design também podem ser inspiradas por novas tecnologias. Por exemplo, os desenvolvedores de aplicativos podem ver projetos baseados em usos inovadores do Flash no site da Fidelity Labs e em um recurso inovador de transcrição interativa usado com vídeos em ted.com.
  • Comece com protótipos de baixa fidelidade. Começar com protótipos de papel para comunicar e testar idéias de design reduz custos e incentiva a exploração de uma gama mais ampla de opções de design. Por outro lado, começar pela criação de designs lisos e detalhados no Adobe Photoshop ou em uma ferramenta de design da Web prolonga os estágios iniciais do processo de design e tende a travar no primeiro design considerado – o que provavelmente não é a melhor alternativa dentre todos os acessível. Além disso, os projetos em estágio inicial que parecem um produto acabado podem distrair o usuário do que é realmente importante durante os primeiros testes de usabilidade, concentrando sua atenção em cores ou fontes. Além dos protótipos de papel, os designers também devem considerar criar wireframes usando o Microsoft Visio. Os wireframes oferecem alguma interatividade, não se parecem com um produto acabado e são rápidos e baratos de modificar. Depois que sua confiança no design aumentar, você poderá começar a aumentar a resolução do design.

Armadilhas a evitar ao projetar primeiro

Ao projetar primeiro:

  • Não se esqueça de projetar para todos os aspectos da experiência do usuário. Lembre-se de que o design UX requer design visual, design de interação e, em seguida, testes de usabilidade para validar o design. Para criar uma experiência do usuário que seja útil, utilizável e desejável, você precisará de pessoas com todos esses conjuntos de habilidades na equipe de desenvolvimento.
  • Não pense que as ferramentas podem projetar para você. As ferramentas podem ser úteis no design, teste e desenvolvimento de aplicativos. Mas fornecer a um analista de negócios Visio, Photoshop, Adobe Dreamweaver ou uma variedade de modelos de portal não resultará necessariamente em uma ótima experiência do usuário, assim como fornecer a um escritor iniciante o Microsoft Word resultará automaticamente no próximo grande romance americano. Para usar essas ferramentas efetivamente, sua equipe de design e desenvolvimento precisará de treinamento e orientação relevantes
  • Não ignore a pesquisa do usuário. Surpreendentemente, muitas empresas encomendam pesquisas de usuários apenas para ignorá-las durante a fase de design. Isso pode acontecer quando a pesquisa é encomendada pelo departamento de marketing, mas depois ignorada pelo desenvolvimento do produto. Mas isso também pode acontecer simplesmente porque os designers se sentem ameaçados pelas restrições que a pesquisa do usuário impõe à sua criatividade. Por exemplo, uma empresa de software criou personas apenas para que a equipe responsável por redesenhar seu site os colasse em uma gaveta e os ignorasse. O design resultante foi um fracasso que atraiu enormes críticas dos clientes da empresa.
  • Não se prenda a um design muito cedo. Não se comprometa muito rapidamente com uma ideia específica. Uma equipe de design que não gera pelo menos três alternativas viáveis no início do processo não está fazendo seu trabalho. Antes de escolher uma das opções, submeta-o a algum feedback do usuário por meio de protótipos de baixa fidelidade e revise-o para adequar-se aos objetivos de negócios. É natural que você se incline para uma de suas opções, mas esteja preparado para abandoná-la rapidamente, caso não seja aprovada na revisão de casos de negócios e usuários.
  • Não se apresse em escrever código. Resista ao desejo de começar a codificar antes de ter um design sólido. Lembre-se do conselho de Bill Buxton, autor de “Sketching User Experiences”, que disse: “. . . a última coisa que você deve fazer ao começar a projetar um sistema interativo é escrever código. ”

MELHOR PRÁTICA 3: NÃO CONFIE EM NINGUÉM – TESTE

Apesar dos seus melhores esforços disciplinados, não há garantia de que você criará uma ótima experiência para o usuário. Esperar até você iniciar o site para ver como os usuários reagirão é arriscado. É por isso que as empresas devem empregar testes cedo e frequentemente para validar suas pesquisas e projetos de usuários.

  • Resolver diferenças irreconciliáveis através de testes. As equipes de design frequentemente discordam. Em vez de se envolver em argumentos incessantes sobre o que é ou não amigável, teste seus projetos com usuários reais para resolver as diferenças de design. O teste de usabilidade é onde usuários representativos tentam concluir tarefas específicas sob o olhar atento de um moderador – um usuário de cada vez. Testes eficazes de usabilidade podem ser feitos de forma rápida e barata; software como o Morae da TechSmith gravará a sessão do usuário e você poderá compartilhar os resultados com sua equipe de design e desenvolvimento.

Analise os resultados para determinar se os usuários concluíram ou não objetivos específicos, com que rapidez eles cumpriram os objetivos e quantos erros cometeram ao longo do caminho. Depois, faça perguntas para determinar como eles gostaram do processo, como “O que você gostou no site?” e “Houve algo que te frustrou?”

  • Pegue um atalho com análises de especialistas. Os testes de laboratório de usabilidade encontram muitos dos mesmos erros repetidamente. Como resultado, já existe um conhecimento enorme sobre o que funciona e o que não funciona em muitos contextos de aplicativos diferentes. Os desenvolvedores de aplicativos podem explorar esse conhecimento com testes heurísticos, também conhecidos como revisão de especialistas. O processo de revisão começa identificando os usuários de destino e seus objetivos em um site específico. Armado com essas informações, um revisor treinado emula o usuário e tenta atingir objetivos específicos no site enquanto procura por problemas conhecidos da experiência do usuário.
  • Teste continuamente. O teste não deve parar após a implantação do aplicativo. Os sites mudam com o tempo como resultado de atualizações. As necessidades e expectativas dos usuários mudam ao longo do tempo conforme bem, causando a degradação do desempenho de projetos mais antigos, mesmo que o site ou aplicativo não tenha sido alterado. As empresas podem usar uma variedade de técnicas de teste de baixo custo para monitorar continuamente a integridade do site e alertá-las para a necessidade de ajustes ou atualizações no projeto.

Armadilhas a evitar nos testes

Nem todos os testes centrados no usuário são igualmente eficazes:

  • Não basta testar a usabilidade. A usabilidade é apenas um aspecto da experiência do usuário. Os testadores também devem garantir que o site faça algo que os usuários desejam fazer. Para testar a utilidade, permita que os usuários assinem suas tarefas, fornecendo detalhes específicos de uma meta que desejam atingir. Por exemplo, em vez de pedir que comprem um PC, peça que comprem o PC específico que gostariam de possuir, como um laptop que pesa menos de 1,5 kg, tem uma duração de bateria superior a 4 horas e custa menos de US$ 500. Observe se o site possui conteúdo e função para apoiar seus objetivos no mundo real.
  • Não se esqueça de testar a confiabilidade e a segurança. Os testadores também devem se certificar de que o site e aplicativos específicos no site executem suas funções de maneira correta e segura. Caso contrário, os usuários poderão encontrar-se isolados do valor do site. Ao testar a confiabilidade, certifique-se de forçar erros fazendo coisas que o site não foi projetado para oferecer suporte, como inserir bobagens em um campo de endereço de email – a reação do site geralmente o surpreenderá. Testar a segurança não é apenas sobre autenticação e autorização do usuário; também se trata de confidencialidade, integridade, disponibilidade e não repúdio. Para evitar se tornar uma reportagem na primeira página de Jornal de Wall Street, não se esqueça de contratar profissionais de segurança e risco para realizar a modelagem de ameaças em sua experiência do usuário e design técnico.

MELHOR PRÁTICA 4: INJETAR A EXPERIÊNCIA DO USUÁRIO NO SEU SDLC

O truque é realmente levar seus profissionais de desenvolvimento de aplicativos a elevar o design da experiência do usuário para se tornar uma parte de primeira classe de seu trabalho. Para fazer isso:

  • Eduque todos da equipe sobre o que é a experiência do usuário e por que é importante. Não é que os profissionais de desenvolvimento de aplicativos não desejem criar ótimas experiências para o usuário. É que, na maioria das vezes, ninguém lhes ensinou como. Divulgue que o design da experiência do usuário é importante, comunicando seus benefícios comerciais. Uma maneira de fazer isso é divulgando histórias de sucesso que descrevem o que várias empresas fizeram para melhorar a experiência do usuário e quais resultados eles viram. Boletins on-line gratuitos de empresas como a User Interface Engineering e a Human Factors International são ótimas fontes para esses exemplos, assim como os relatórios da Forrester. Você saberá que está progredindo quando diz “experiência do usuário” e a equipe diz “útil, utilizável e desejável”.
  • Encontre um líder que elevará e conduza o design do UX. As empresas que levam a sério a experiência do usuário têm patrocinadores executivos e frequentemente um evangelista interno. Encontre alguém no seu desenvolvedor de aplicativos organização que se tornará o evangelista interno para a experiência do usuário – alguém que ajudará a elevar o design da experiência do usuário como uma disciplina e a conduzir as melhores práticas.
  • Priorize os esforços iniciais em projetos nos quais você possa causar um grande impacto. Seu objetivo final deve ser o de instilar a experiência do usuário em toda a organização do desenvolvedor de aplicativos. Mas se o conhecimento do UX da loja de desenvolvedores de aplicativos estiver próximo de zero, não é prático pensar que você pode injetar as práticas recomendadas do UX em geral durante a noite. Isso significa que é importante começar priorizando projetos em que as melhorias na experiência do usuário terão maior impacto, criando prova de que essa abordagem funciona. Por exemplo, uma grande seguradora aplica o design da experiência do usuário aos projetos voltados para o cliente ou usados pelos funcionários, mas que afetam diretamente os clientes.
  • Forneça incentivos para as equipes de desenvolvimento de aplicativos. Os líderes de desenvolvimento de aplicativos geralmente oferecem incentivos às equipes apenas para fornecer funcionalidade e não uma ótima experiência do usuário. Volte a focar sua equipe de desenvolvimento de aplicativos não apenas para criar software que funcione, mas para criar experiências de usuário úteis, utilizáveis e desejáveis. Uma maneira de fazer isso: vincular as classificações de desempenho ou até os pagamentos de bônus a um aumento nas métricas, como a satisfação do cliente com um site ou aplicativo. Como alternativa, você pode vincular a compensação a um declínio no número de erros encontrados nos testes de laboratório de usabilidade ou nas análises padronizadas de especialistas.
  • Transforme seu processo de desenvolvimento de aplicativos para incluir o design do UX. Uma queixa comum dos profissionais de experiência do usuário é que o desenvolvedor de aplicativos não entende a importância do design da experiência do usuário. Mas muitas vezes a barreira real é o custo de contratar profissionais de experiência do usuário externos. Portanto, seu objetivo final deve ser transformar o desenvolvimento de aplicativos no desenvolvimento da experiência do usuário, tornando a experiência do usuário parte do DNA do desenvolvedor de aplicativos.

Armadilhas a evitar ao injetar o design da experiência do usuário no seu SDLC

Para manter seu trem de design UX rodando, evite estas armadilhas:

  • Não torne o design da experiência do usuário proibitivamente caro. Se o design da experiência do usuário adicionar custos ou tempo aos projetos de desenvolvimento de aplicativos, ele poderá ser abandonado. Felizmente, a integração do design do UX não precisa ser cara. Muitas das melhores práticas são mudanças de atitude e atividades por parte da equipe, que podem realmente encurtar o tempo necessário para concluir o projeto, reduzindo o retrabalho causado pelos usuários que rejeitam o site após o lançamento. Se você precisar contratar designers externos ou se o processo adicionar custos, você poderá justificá-lo mostrando valor agregado. Para fazer isso, identifique as principais métricas que serão aprimoradas com seus esforços de UX e crie um modelo simples de retorno do investimento (ROI) que mostre que essas melhorias justificam o custo.
  • Não basta jogar desenhos por cima do muro. Os designers separados dos desenvolvedores geralmente entregam projetos para o desenvolvedor de aplicativos e nunca os veem novamente. Tanto designers quanto desenvolvedores perdem quando isso acontece porque os designers não aprendem sobre o que funciona para os desenvolvedores e o que não, e os desenvolvedores são cortados de um recurso que pode ajudá-los a encontrar soluções quando tiverem problemas. Idealmente, o grupo de desenvolvedores de aplicativos e os designers devem estar localizados juntos para incentivar a colaboração e a transferência de habilidades entre si.
  • Não volte aos velhos hábitos. A maioria das lojas de desenvolvimento de aplicativos concentrou-se em melhorar os processos de construção, em vez de projetar aplicativos. Incorporar as melhores práticas de design de UX será uma mudança de mentalidade que precisa se tornar permanente. Para ajudar a reforçar a mudança, adquira o hábito de perguntar se o design é útil, utilizável e desejável para os usuários pretendidos em todas as sessões de revisão.

IDENTIFICANDO SEUS DESAFIOS

Parte 1: Torne-se seus usuários

PerguntaSimNão
Você está perguntando e ouvindo as necessidades de seus usuários? Lembre-se de que as partes interessadas nos negócios
não são necessariamente seus usuários.
Você está observando como seus usuários executam tarefas em seu site existente ou nos sites de seus
concorrentes?
Você está criando personas de usuário?
Você tem empatia com seus usuários?

Parte 2: Design?

PerguntaSimNão
O design da sua experiência do usuário está atendendo às metas do usuário e de seus negócios?
Você tem talento em design que possui um profundo entendimento do usuário, dos objetivos de negócios e de tudo o que é
possível com a tecnologia?
Você está projetando para a mudança?
Sua equipe de design está ciente de todas as restrições comerciais, técnicas e de design herdado?
Você está projetando para todas as personalidades importantes?
Sua equipe fica a par das tendências de design dos sites concorrentes e de outros setores?
Você está usando protótipos de baixa fi lidade para iterar rapidamente suas idéias de design?

Parte 3: Não confie em ninguém – teste

PerguntaSimNão
Você estabelece diferenças irreconciliáveis de design através do teste do usuário?
Você emprega testes heurísticos para agilizar os testes?
Você testa periodicamente seus projetos, mesmo depois
que eles são implantados?

Parte 4: Injete o design do UX no seu ciclo de vida de desenvolvimento de software (SDLC)

PerguntaSimNão
Todos na sua equipe entendem o que é UX e por que é importante?
Você tem um líder que pode orientar o design de UX?
Você está priorizando projetos em que as melhorias no UX terão o maior impacto?
Suas equipes de desenvolvimento de aplicativos são incentivadas a desenvolver ótimas experiências para o usuário?
Você está transformando seu processo de desenvolvimento de aplicativos para incluir o design de UX?

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Artigos relacionados

Ad
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Por favor desabilite o seu bloqueador de anúncios para prosseguir. Obrigado!